Manual de estágio supervisionado

Categories: Trabalhos

0

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA HISTÓRIA 2010 INDICE APRESENTAÇÃO. .. 03 REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO a) Contextualizando………… „ 04 b) Objetivos . 06 c) Dimensão Swipe view next page Operacional . 07 d) Regulamentaçã supervisionado . estrutural do estágio 08 do aluno „ OFII 13 Fichas de resenhas a serem preenchidas Observação — . 07 e) Organização çao 14 Fichas de 15 Roteiro de Elaboração do Projeto de Estágio 2 APRESENTAÇÃO . 8 A Coordenação dos Cursos de Licenciatura implementa, por meio deste manual, o conjunto de normas e princípios para a realização o Estágio Supervisionado. O Estágio Supervisionado dos Cursos de Licenciatura em Pedagogia, História, Matemática e Letras Estácio Uniradial, objetiva a complementação do processo de -lal Studia ESTAGIO SUPERVISIONADO A] Contextualizando Os cursos de Licenciatura Estácio Uniradial pretende formar profissionais capazes de lidar com o contexto social complexo e em constante transformação, e de protagonizarem inovações educativas comprometidas com a construção de uma sociedade solidária e justa.

Temos consciência de que a construção de competências profissionais para o enfrentamento dos dilemas educacionais contemporâneos ão é tarefa simples, e, justamente, por representar um grande desafio para as instituições formadoras de professores, precisa de uma mudança de paradigma, é precisa enfrentar o modelo de racionalidade técnica que coloca o professor como mero aplicador de teorias científicas supostamente neutras; para uma formação baseada na compreensão crítica da educação, capaz de oferecer condições para se lutar contra uma escola que apenas reproduzirá as necessidades do capital, encarando o ser humano apenas com uma peça em sua engrenagem. Os limites do paradigma da racionalidade técnica na formação e professores é mostrado claramente pela dificuldade de integração entre as teorias que embasam o trabalho do professor e as reais condições de trabalho, e desafios que ele encontra no contexto concreto da Escola. “As reformas escolares fracassam, os novos programas não são aplicados, belas idéias como os métodos ativos, o construtivismo, a avaliação formativa ou a pedagogia diferenciada são pregadas, porém nunca praticadas. Por que?

Precisamente porque, na área da educação, não se mede o suficiente o desvio astronômico entre o que é prescrito e o que é viável nas condições efetivas do trabalho docente”l . Segundo Perrenoud2, a formação de professores só pode ser pensada a partir de escolhas ideológicas. O tipo de professor que queremos formar depende do tipo de sociedade, de valores que almejamos construir. Pensar a formação de nosso aluno a partir de elementos como: autonomia, abertura para o mundo, tolerância por outras culturas osto elo risco intelectual, espírito de pesquisa, senso de coo idariedade exige pensar a 20F 11 Artmed, 2002.. p. 17. 2 Ibidem. 4 a partir de competências específicas. Neste sentido, é preciso explicitar o tipo de profissional desejamos formar, a partir do ipo de sociedade que desejamos construir. ara Perrenoud3, um bom professor deve articular uma cidadania ativa com competências para ensinar. Em relação à cidadania o autor defende o seguinte perfil do professor: “pessoa confiável, mediador intercultural, mediador de uma comunidade educativa, garantia da Lei, organizador de uma vida democrática, transmissor cultural e intelectual”. Em relação às competências para ensinar, Perrenoud4 defende que o professor seja: “organizador de uma pedagogia construtivista, garantia do sentido dos saberes, criador de situações de aprendizagem, dministrador da heterogeneidade, regulador dos processos e percursos de formação”, adotando como posturas fundamentais a prática reflexiva e a implicação crítica.

Este perfil de professor está relacionado a uma visão de Escola que reconhece a autonomia e a profissionalidade docente e tem por objetivos: a democratização do acesso aos saberes, a construção da autonomia, do senso crítico e da capacidade de posicionarse frente aos desafios da sociedade. Perrenoud5 defende alguns critérios para pensarmos a formação de professores, dentre eles a necessidade de considerarmos as condições concretas e trabalho e os desafios da prática pedagógica no cotidiano escolar. O autor mostra a necessidade de modificarmos o caráter prescritivo e descontextualizado dos processos de formação inicial e continuada de professores.

Neste sentido, a base do toda estratégia de inovação é a análise das condições e limitações da prática profissional. O autor defende a importância das instituições de formação formalizarem observatórios das práticas e desafios concretos do cotidiano escolar com o objetivo de oferecer uma visão realista dos problemas e dilemas que os professores enfrentam. Este ro’eto de estágio supervisionado pretende contribuir para a e um banco de dados 30F 11 trabalho, que podem fornecer subsídios para o repensar constante da formação inicial, criando as bases para a construção de uma transposição didática efetiva para a formação inicial e continuada de professores, como propõe. Ibidem, p. 14. Ibidem, p. 14. 5 Ibidem. “A formação de professores deveria ser orientada para uma aprendizagem por problemas para que os estudantes se confrontassem com a experiência da sala de aula e trabalhassem a partir de suas observações, surpresas, sucessos e fracassos, edos e alegrias, bem como de suas dificuldades para controlar os processos de aprendizagem e as dinâmicas de grupos ou dos comportamentos de alguns alunos”6. Daí, propiciarmos experiências variadas e de livre escolha dos alunos, para que os mesmos possam se defrontar com os grandes e complexos problemas que afetam, não só o sistema educacional como um todo e suas macro-determinações, mas também para os problemas que surgem a partir de uma situação concreta, com um grupo de alunos com interesses divergentes, por vezes antagônicos, com espaços físicos nem sempre adequados ? rática de atividades físicas.

B] Objetivos • Proporcionar momentos de desenvolvimento da capacidade destes futuros profissionais articularem teoria e prática e solucionarem os desafios e dilemas da prática pedagógica em diferentes contextos; • Contribuir para o levantamento das competências necessárias aos professores que irão trabalhar no contexto escolar, fornecendo subsídios para o constante repensar da formação inicial; • Elaborar, implementar e avaliar estratégias de formação de professores a partir de uma visão crítica da sociedade, integrando formação inicial e continuada; ?? Contribuir para a melhoria da ualidade do ensino através do desenvolvimento profissio sor; • Contribuir para a 11 conhecimento socializável como um dos elementos da formação através da elaboração de materiais de divulgação seus projetos e observações de estágio. 6 PERRENOUD, op Cit, p. 22. 6 C] Dimensão Operacional Da Constituição e Competência da Equipe do Estágio Supervisionado. Constituição: Estagiário; Coordenador de estágio.

Competência Estagiário: • Identificar a Instituição onde irá desenvolver o estágio; • Providenciar documentação exigida, acatando as exigências procedimentais da Instituição; • Comparecer aos encontros com o coordenador de estágio, cumprindo as tarefas que lhe forem atribuídas; • Cumprir as normas estabelecidas pela Coordenação de Estágio; Coordenador de Estágio • Coordenar, orientar e acompanhar o desenvolvimento do Estágio Supervisionado, auxiliando o Estagiário durante todo o período de duração dos trabalhos; • Avaliar os relatórios entregues pelos alunos; • Estabelecer contato com as instituições de ensino; • Avaliar periodicamente o estagiário, indicando, se necessário for, as alterações no cronograma; • Estar atento à postura ética que o trabalho requer.

D] Regulamentação do Estágio Superdisionado • • • O Estágio Supervisionado deve realizar-se em instituição pública elou privada; A escolha das instituições a estagiar compete ao aluno (estagiário); A duração do estágio será de, no mínimo, 400 (quatrocentas) horas na Licenciatura de História; • O Estágio deve ser devidamente comprovado e sua aprovação é condição indispensável para que o aluno seja diplomado; • • Somente pode colar grau o aluno aprovado no Estágio; O Estágio Supervisionado será composto por 3 (três) modalidades de atividades: 7 erá a seguinte estrutura: Curso – História 1 – Estágio de Observação/Participação/Regência no Ensino Fundamental II: a carga horária máxima para esta modalidade é de 200 horas, desenvolvidas nos módulos 3 e 4 do curso. – Estágio de Observação/Participação/Regência no Ensino Médio: a carga horária máxima para esta modalidade é de 200 horas, desenvolvidas nos módulos 5 e 6 do curso. As modalidades 1 e 2 corresponde ao acompanhamento dos programas dos professores da Educação Básica. Cada aluno deverá observar segundo critérios claramente definidos pela Coordenação de Estágio. A atuação como estagiário em escolas públicas ou privadas deverá ser precedida pela apresentação do planejamento de aula à Coordenação de Estágio, que acompanhará e supervisionará o processo. Controle: o(a) professor(a) que teve sua aula observada deverá registrar o dia de observação e rubricar o documento encaminhado pela Faculdade Estácio Uniradial, e a direção da escola deverá validar o documento.

A escola deverá preencher o documento de estágio e registrar a presença do aluno durante o período do mesmo; a coordenação de 8 estágio acompanhará e analisará as aulas ministradas por meio a produção dos relatórios de estágios apontando sugestões. Encontram-se nos anexos os seguintes formulários: a) Fichas de Estágio para preenchimento: • • • • Os conteúdos observados devem ser descritos sucintamente. Os conteúdos devem ser descritos diariamente. A fi rá ter rasuras. A ficha 6 OF Escolar, devendo, para tanto, submeter-se às determinações da própria escola. Deste modo solicitamos a devida autorização para que o(a) mesmo(a) possa executar seu trabalho de formação, observando e participando das aulas, das reunião de HTPC, de reunião com pais e anda de reuniões de Conselho de Escola.

Maira Dias Coordenadora Adjunta de História / professora orientadora de estágio Autorizo o(a) estudante acima mencionado a realizar esta etapa do estágio na Unidade de Ensino: São Paulo, de de 2010 Assinatura do Diretor (Usar carimbo pessoal e da Escola) CURSO: LICENCIATURA EM HISTÓRIA – ESTÁGIO SUPERVISIONADO CONTROLE DE PRESENÇA NA ESCOLA Aluno: Professor: Fundamental II ( ) Ensino Médio ( ) Ensino Confirmo que o (a) aluno(a) acima designado(a) compareceu às aulas desta Unidade Escolar, nas datas abaixo relacionadas, tendo acompanhado e colaborado com o desenvolvimento da mesma. Data Conteúdo Total em horas Assinatura (Professor) SAO PAULO, ESCOLAR: Direçao UNIDADE Carimbo e assinatura da semestre 2010. 1 2. Identificação do Local de Estágio: Nome da Escola: . Endereço da Escola: Horário das aulas: 3. Modalidades de estágio a serem realizadas na escola: ( ) observação ( ) participação ( ) regência 4. Período de Estagio De . a . Duração . oras ( ) Ensino ROTEIRO DE RELATÓRIO DO ESTÁGIO DE OBSERVAÇÃO E PARTICIPAÇÃO Data: Escola Estagiada: Nome do Professor: Ensino: EFII ( ) EM ( ) Estagiário Curso: Faculdade: Estácio Uniradial Total de horas de estágio: A – Condições sala o prédio: de aula: Iluminação: negro: carteiras: Mobiliário: Quadro Posição das – Quantos alunos há na sala de aula: Meninas: C – Como é a comunicação do Meninos: professor com os alunos? Dicção do professor: afetivo: 80F Relacionamento Percepção Semestre Turno: Professor (a) supervisor/orientador de Estágio: Prof Maira Dias 16 D – O que foi desenvolvido pelo professor em sala de aula? Relate. Usou material para exposição de sua aula? Quais? O que você mais gostou durante sua permanência em sala de aula? O que menos go 17 G – Quanto a sua participação em sala de aula: a) Qual a sua contribuição? 0 DF 11

Metodologia do trabalho academico

0

ISEGURANÇA NO TRABALHO Portaria 3214/78 Ministério do Trabalho IO QUE É SEGURANÇA NO TRABALHO? É o conjunto de normas e

Read More

A sexualidade

0

A Sexualidade • A Sexualidade pág3 • As dimensões da sexualidade. …… „…. pág3 to view nut*ge pág4 • Dimensão

Read More