Psicologia organizacional da toyota

Categories: Trabalhos

0

Toyota está ligado às raízes da Administração Científica com Taylor, Ford e Fayol, no que diz respeito à linha de produção, o chamado “chão de fábrica”. Fazendo uma comparação entre a Toyota de hoje e o Taylorismo empregado na FORD, durante a Administração Científica, é possível observar a semelhança na questão da definição do tempo padrão em que a Toyota define em suas tarefas através de um cronômetro.

Na segunda fase do Taylorismo, também é possível encontrar semelhanças como a aplicação de métodos de pesquisa ara melhorar a execução das tarefas, empregados cientificamente selecionados e treinados e manter uma atmosfera íntima e cordial entre a administração e os Swipe to view next page os trabalhadores. Contudo, os métodos são mais evoluídos e adaptados aos dias atuais. Em se tratando de Henry Ford, a Toyota herdou sua principal filosofia, a qualidade, que segundo o Sr.

Watanabe é a principal fórmula para a Toyota se tornar líder mundial no mercado, pois para o presidente, é preciso produzir de acordo com os atuais pilares: estoque zero, melhoria contínua e a qualidade na fabricação. A Teoria Clássica da Administração foi idealizada por Henri Fayol. Caracteriza-se pela ênfase na estrutura organizacional, pela visão do homem econômico e pela busca da máxima eficiência. Sofreu críticas como a manipulação dos trabalhadores através dos incentivos materiais e salariais e a excessiva unidade de comando e responsabilidade.

Paralelamente aos estudos de Frederick Winslow Taylor, Henri Fayol defendia princípios semelhantes na Europa, baseado em sua experiência na alta administração. Enquanto os métodos de Taylor eram estudados por executivos Europeus, os seguidores da Administração Científica só deixaram de ignorar a obra de Fayol quando a mesma foi publicada nos Estados Unidos. O atraso na difusão generalizada das idéias de Fayol fez com que grandes contribuintes do pensamento administrativo desconhecessem seus princípios.

Funções Administrativas: Planejar ,0rganizar ,Comandar ,Coordenar ,Controlar Princípios Básicos: Fayol relacionou 14 princípios básicos que podem ser estudados de forma complementar aos de Taylor: Divisão do trabalho ,Autoridade ,Disciplina ,Unidade de comando , Subordinação dos interesses individuais(ao interesse geral) ,Remuneração, Centralização (ou Descentralização) ,Linha de Comando (Hierarquia) ,0rdem , Eqüidade,Es ,Remuneração, Centralização (ou Descentralização) ,Linha de Comando (Hierarquia) ,0rdem , Eqüidade,Estabilidade dos funcionários,lniciativa ,Espírito de equipe.

Críticas sobre a Teoria Clássica: Obsessão pelo comando ,A empresa como sistema fechado,Manipulação dos trabalhadores,A inexistência de fundamentação científica das concepções Sistema Toyota de Produção, também chamado de Produção enxuta e Lean Manufacturing, surgiu no Japão, na fábrica e automóveis Toyota, logo após a Segunda Guerra Mundial. Nesta época a indústria japonesa tinha uma produtividade muito baixa e uma enorme falta de recursos, o que naturalmente a impedia adotar o modelo da Produção em massa.

A criação do sistema se deve a três pessoas: O fundador da Toyota e mestre de invenções, Toyoda Sakichi, seu filho Toyoda Kiichiro e o principal executivo o engenheiro Taiichi Ohno. O sistema objetiva aumentar a eficiência da produção pela eliminação contínua de desperdícios. 2. O MODELO JAPONÊS DE ADMINISTRAÇÃO DA TOYOTA O sistema de Produção em massa desenvolvido por F O sistema de Produção em massa desenvolvido por Frede contínua de desperdícios. O sistema de Produção em massa desenvolvido por Frederick Taylor e Henry Ford no início do século XX predominou no mundo até a década de 90.

Procurava reduzir os custos unitários dos produtos através da produção em larga escala, especialização e divisão do trabalho. Entretanto este sistema tinha que operar com estoques e lotes de produção elevados. No início não havia grande preocupação com a qualidade do produto. Já no Sistema Toyota de Produção, os lotes de produção são pequenos, permitindo uma maior variedade de produtos. Exemplo: em vez de produzir um lote de 50 sedans brancos, produz-se 10 lotes com 5 veículos cada, com cores e modelos variados.

Os trabalhadores são multifuncionais, ou seja, conhecem outras tarefas além de sua própria e sabem operar mais que uma única máquina. No Sistema Toyota de Produção a preocupação com a qualidade do produto é extrema. Foram desenvolvidas diversas técnicas simples mas extremamente eficientes para proporcionar os resultados esperados, como o Kanban e o Poka-Yoke. De acordo com Taiichi Ohno (1 988): A base de sustentação do Sistema Toyota de Produção é a absoluta eliminação do desperdício e os dois pilares necessários à sustentação é o Just-in-time e a Autonomação.

Os 7 desperdícios que o sistema visa a eliminar: Superprodução, a maior fonte de desperdício. • Tempo de espera, refere-se a materiais que aguardam em filas para serem processados. • Transporte, nunca geram valor agregado no produto. Processamento, algumas operações de um processo poderiam nem existir. Estoque, sua redução ocorrerá através de sua cau • Movimentação Estoque, sua redução ocorrerá através de sua causa raiz. correrá através de sua causa raiz.

Defeitos, produzir produtos defeituosos significa desperdiçar materiais, mão-de-obra, movimentação de materiais defeituosos e outros. Ferramentas LEAN Para identificar os Problemas: Workshops, Value Stream, Gestão visual. Para identificar a raiz/causas dos Problemas: Workshops, Value Stream, Gestão visual, 5 porquês, diagrama de Ishikawa. Para resolver os Problemas: Desdobramento de objectivos estratégicos (oshin kanri), Gestão Visual. Fundado em 1998 como segundo instituto a ser criado no mundo com o intuito de disseminar o Sistema Lean, o Lean

Institute Brasil (LIB) atua no Brasil seguindo o exemplo do instituto norte-americano, o Lean Enterprise Institute (LEI), fundado em 1997 por James Womack. Um dos principais papeis do Lean Institute é pesquisar as ferramentas Lean e adaptá-las para os contextos das empresas brasileiras, auxiliando assim a implementação do Lean dentro dos setores mais diversos. É comum que as empresas iniciem sua jornada através do Mapeamento de Fluxo de Valor (MFV) para justamente aprender a enxergar os desperdícios do seu sistema produtivo e localizar os pontos mais críticos e planejar a melhoria o fluxo.

Em seguida, costuma-se estudar a criação de Fluxo Contínuo ou Fluxo de uma peça (One peace flow) para redução dos desperdícios entre processos adjacentes, balanceamento da linha e redução do Lead Time. A sequência de implementação do sistema lean costuma incorporar também a cultura do Sistema Puxado Nivelado, que consolida a lógica de produção conectando a ordem de produção idade do cliente, produzindo apenas aquilo que realmente é consumido. ógica de produção conectando a ordem de produção a real necessidade do cliente, produzindo apenas aquilo que rodução a real necessidade do cliente, produzindo apenas aquilo que realmente é consumido. Outras características do Sistema LEAN • É uma abordagem bottom-up. O envolvimento dos colaboradores é determinante para o sucesso de projectos LEAN, pois são eles que melhor conhecem os processos. • É um ciclo que não acaba, numa lógica de melhoria contínua. O processo geração de ideias, viabilidade, implementação não é LEAN.

Nos projetos LEAN, os grupos de trabalhos são orientados pelos 7 desperdícios acima referidos. Atua ao nível dos processos, das atitudes e comportamentos e das ferramentas de gestão. O Sistema Toyota de Produção vem sendo implantado em várias empresas no mundo todo, porém nem sempre com grande sucesso. A dificuldade reside no aspecto cultural. Toda uma herança histórica e filosófica conferem uma singularidade ao modelo japonês. Segundo matéria na Newsweek International, em 2005, a Toyota Motors Company obteve lucros recordes de US$ 1 1 bilhões, que ultrapassa os ganhos da GM, Ford e DaimlerChrysler juntas.

Em 2007 a Toyota tornou-se a maior empresa automobilística do mundo, fato que só era previsto para 2008. 3. A PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL DA TOYOTA Do ponto de vista da psicologia organizacional (Cultura e Clima Organizacional; Psicologia Organizacional x Administração de Recursos Humanos; A psicologia e as novas Formas de Gestão; A Função da Psicologia no Desenvolvimento Organizacional), que aspectos você identifica na Toyota que fazem com que seus colaboradores trabalhem mais satisfeitos? rodução a real necessidade do cliente, produzindo apenas aquilo que realmente ê consumido. 4. OS PROCESSOS DE NEGÓCIOS DA TOYOTA Que processos de negócios (Processo de Administração e Finanças; Processo e Produção e Operações; Processo de Marketing e Vendas; Processo de Logística; Processo de Recursos Humanos e/ ou outros) são mais significativos para o sucesso da Toyota? O modelo de gestão está inserido no subsistema institucional da organização.

Projeto

0

PROJETO MEIO AMBIENTE [PiC] 1- Apresentação 2- Público Alvo 3- Duração 4- Objetivos 5- Metodologias 6- Estratégias [picl OF4 p

Read More

Metodologia científica

0

Metodologia Científica Questões para Sistematização dos Conteúdos dos Textos Lidos. Defina: 1) Metodologia Cientifica: É a disciplina interessada na formação

Read More