Teste

Categories: Trabalhos

0

Aulas 11-12 (25 de outubro de 2006) Recapitularam-se aspectos essenciais da filosofia política de Maquiavel. O primeiro aspecto fulcral focado foi o de que no dealbar da época moderna deixou de se entender a politica como um exercício de virtude. Assim, já em Maquiavel, o que está em causa não é um aperfeiçoamento do carácter do homem pela prática da virtude, mas a realização dos seus desejos mais íntimos: busca de glória, de riqueza, de poder.

A política deixa de ser uma actividade teórica que visa mudar o sujeito, para passar a meditar sobre o melhor modo de realizar quilo que esse sujeito já sempre e necessariamente é. O governante deve ter uma atitude impetuosa perante a vida. A qualidade do bom go aproximadamente, f OF3 dominador perante a cc Swipe view next page principalmente nos impetuosidade, pois dominá-la. (ver O Principe, cap. XV). cando esta palavra, eve exercer de modo O importante é, ntar a fortuna com rá melhor resistir e No Príncipe enumeram-se os vários tipos de principados, sendo a verdadeira questão a dos meios pelos quais se pode conservar o poder. Quanto à maneira de este se obter, é indiferente, pois todos os meios são válidos. Logo, deixa de haver a auctoritas (referência a um acto fundador e subsequ Swige to next page subsequente linhagem de indivíduos de que brota o exercicio do poder) da tradição romana como legitimação do poder.

Já não se distingue auctoritas de potestas, pois o próprio exercício do poder confere autoridade. Quem o exerce não precisa reconhecer nenhuma autoridade que o limite, nenhum outro poder que possa interferir no seu domínio. O poder gera de si mesmo a sua própria legitimidade, o que equivale a dizer que os poderosos não têm necessidade de apresentar justificações de Subjacente a isto está uma visão muito pessimista da natureza humana, que é também um sinal dos tempos conturbados que se viviam na Europa.

Esta visão, sendo um dos pressupostos da génese do pensamento da modernidade, está também presente em Thomas Hobbes. Hobbes também coloca a tónica na vontade insaciável de poder do homem, associando-a ao desejo de auto-preservaçao: encarando-se o homem como um ser ameaçado, que tem que lutar pela própria sobrevivência, o poder é o meio pelo qual esta melhor se pode assegurar. Todavia, o desejo de poder não tem um limite pois é necessário adquirir mais e mais poder ara se manter os melos de viver bem.

Assim há «em primeiro lugar, como tendência geral de todos os homens um perpétuo e irrequieto desejo de poder e mais poder, que cessa apenas com a morte» (Leviatã, Cap. XI, 20 parágrafo). O homem à partida não é limitado por nada, tem direito (1) a tudo e a todos que constituem o objecto do seu é limitado por nada, tem direito (1) a tudo e a todos que constituem o objecto do seu desejo. No seu estado de natureza, o homem é um ser dominador que têm a liberdade (2) de subjugar tudo e todos, e o mundo é encarado como um bjecto de conquista.

Os homens são iguais entre si: o mais fraco de todos tem força suficiente para matar o mais forte, e as diferenças entre uns e outros não são tão grandes que um não possa aspirar a um beneficio a que outros nao possam também aspirar (ver Cap. XIII, 10 par. ). Todos aspiram de igual modo ao poder (Cap. XII, 30 parágrafo). Ora, se não há limitações à ambição de cada um nos seus desejos de poder e de riqueza, há todavia uma quantidade finita de poderes e de bens para serem distribuidos e, portanto, há um conflito de interesses ue impede os seres humanos de conviverem pacificamente.

O estado de natureza do homem, ser de desejos insaciáveis, é um estado em que todos estão em guerra contra todos, e a auto- preservação de cada um exige o uso da astúcia ou de quaisquer meios de que se possa fazer mão. Os homens são iguais quanto à esperança de atingir os mesmos fins e, se desejam ambos uma mesma coisa impartilhável, tornam-se inimigos e esforçam-se por se destruir mutuamente. Assim, cada individuo constitui uma ameaça à segurança de todos os outros, e esta é uma situação Insustentável. 3

Fidel castro

0

Sumário Introdução Fidel Castro Ruz Resultados Conclusão Bibliografia 4 7 8 9 O presente trabalho tem por objetivo relatar a

Read More

Homem e sociedade

0

Pergunta 1 O ser humano pode ser abordado em várias perspectivas (mítica, religiosa, científica, filosófica, científica, do senso comum) porém,

Read More