Reflexoes do poeta

Categories: Trabalhos

0

Reflexões do poeta n’Os Lusíadas Na primeira reflexão d’Os Lusíadas, sobre a insegurança da vida, Camões reage à traição protagonizada por Baco, lamentando- se da personalidade escondida dos seres humanos. Estabelece um paralelismo entre os perigos encontrados no mar e em terra, verificando que em nenhum dos ambientes há segurança absoluta. Na sequência disto, reflecte sobre a posição do ser humano face à natureza, já que na sua fragilidade e insegurança é capaz de atravessar mares e conquistar povos, ultrapassando com sucesso os diferentes obstáculos. o nut page A reflexão sobre a di marcadamente Hum bra pela demonstra e a vontade de saber específico, o Humani OF8 Svipe nentp Letras é um episódio noutras partes da sobre a Natureza refere a este trecho nça da componente pedagógica oferecida pelas “artes e letras” e pelo modelo de perfeição humana que é a capacidade de conjugar os feitos guerreiros com o conhecimento literário, objectivo conseguido pelos chefes da antiguidade (como seja o exemplo citado de César).

Camões alegra-se ao verificar que na Antiguidade sempre houve personagens protagonistas de feitos heróicos e simultaneamente autores capazes de os cantar condignamente. Em oposição, amenta-se do facto de, apesar de os portugueses portugueses terem inúmeros feitos passíveis de serem louvados, não ser prezada a poesia, tornando-o num povo ignorante. Na sequência disto, caso continue a não haver em Portugal uma aposta nas artes, nunca ninguém exaltará os feitos dos portugueses.

Apesar de tudo, Camões vai continuar a escrever a sua obra, por amor e gosto à arte de louvar, mesmo sabendo de antemão que o mais provável é nao ver devidamente reconhecidos os seus versos. No final do canto VI, Camões apresenta-nos o seu conceito de nobreza, recorrendo para isso à oposição com o modelo radicional. Desta forma, o poeta nega a nobreza como titulo herdado, manifestada por grandes luxos e ociosidade. propõe então, como verdadeiro modelo de nobreza, aquele que advém dos próprios feitos, enfrentando dificuldades e ultrapassando-as com sucesso.

Só assim poderá superiorizar-se aos restantes homens e ser dignamente considerado herói. O estatuto será adquirido ao ver os seus feitos reconhecidos por outros e, mesmo contra a sua vontade, ver-se-á distinguido dos restantes. Na reflexão que faz no início do canto VII, Camões faz um elogio ao espírito de cruzada e critica os que não seguem o exemplo ortuguês. Isto porque, para Camões, a guerra sem pretensões religiosas não faz sentido, visto ser apenas movida pela ambição da conquista de território.

Assim, recorre ao exemplo do Luteranismo alemão para criticar a oposição ao Papa e às guerras que nao seguem os i que não seguem os ideais camonianos. Dirige-se depois aos ingleses, que deixam que os Muçulmanos tenham sob controlo a cidade de Jerusalém e preocupa-se apenas em criar a sua nova forma de religião (anglicanismo). Também os franceses, ao invés de combaterem os infiéis, aliaram-se aos turcos para combater outros cristãos. Nem os próprios italianos passam impunes, ao ser-lhes criticada a corrupção.

Para incitar à conquista de povos não-cristãos, visto esta causa não ser suficiente, Cambes lembra as riquezas da Ásia Menor e África, incitando desta forma a expansão. Termina elogiando os portugueses, que se expandiram por todo o mundo tendo como fim primário a divulgação da fé. Na segunda reflexão que faz no canto VII, Camões critica os opressores e exploradores do povo. Começa por uma retrospectiva da sua própria vida, com etapas como a pobreza, a prisão, o naufrágio, fazendo destas um balanço negativo. No entanto, para ele a maior desilusão continua a ser o facto de não ver a sua obra devidamente reconhecida.

Alerta portanto para o facto de os escritores vindouros se poderem também sentir desta forma, desencorajando a escrita e a exaltação dos heróis. Segue depois para uma crítica mais abrangente, afirmando que não louvará quem se aproxima do Rei tendo como intentos únicos a fama e o proveito próprio. Não louvará também aqueles que se inserem nos meios rea 3 inserem nos meios reais de forma a conseguirem poder para explorar o povo. Termina invejando aqueles que em serviço do Rei foram reconhecidos, já que ele se sente cansado pela forma como é tratado pelos compatriotas.

No final do canto VIII, Camões centra a sua reflexão nos efeitos perniciosos do ouro, constatando que a avidez em que vive o ser humano conduz muitas vezes a acções •rreflectidas, independentemente da posição social. Lista todos os efeitos do metal precioso, desde traições à corrupção da ciência, ao afirmar que o ouro pode fazer com que os juízes dêem demasiada importância a uma obra pelo facto de terem sido remunerados para tal No final da obra, Camões lamenta-se do facto de não estar a ser evidamente reconhecido, já que a sociedade se rege somente pelo dinheiro, decidindo por isso pôr-lhe terma.

Não deixa no entanto de louvar os portugueses e todos os perigos por eles ultrapassados (definição camoniana de nobreza). Elogiando os heróis passados, alerta os homens do presente que a vida nobre não passa pelo ouro, cobiça e ambição. Exorta D. Sebastião a valorizar devidamente aqueles que pelos seus feitos se puderem considerar nobres. Correspondendo à visão aristotélica da epopeia, remata com novas proposição e dedicatória e incita o rei a feitos dignos de serem cantados. Camões reag 4DF8 serem cantados.

A reflexão sobre a dignidade das Artes e das Letras é um episódio marcadamente Humanista. Isto é observável noutras partes da obra pela demonstração da vitória do Homem sobre a Natureza e a vontade de saber e descobrir. No que se refere a este trecho específico, o Humanismo revela-se pela presença da componente Cambes alegra-se ao verificar que na Antiguidade sempre houve lamenta-se do facto de, apesar de os portugueses terem inúmeros feitos passiveis de serem louvados, não ser prezada a poesia, tornando-o num povo ignorante.

N S números feitos passíveis de serem louvados, não ser prezada a poesia, tornando-o num povo ignorante. Na sequência disto, caso continue a não haver em Portugal uma aposta nas artes, nunca ninguém exaltará os feitos dos portugueses. o mais provável é não ver devidamente reconhecidos os seus tradicional. Desta forma, o poeta nega a nobreza como título herdado, manifestada por grandes luxos e ociosidade. Propõe Na reflexão que faz no inicio do canto VII, Camões faz um elogio ao espirito de cruzada e critica os que não seguem o exemplo religiosas nao faz sentido, visto ser apenas movida pela ambição

Luteranismo alemão para criticar a oposição ao papa e às guerras que não seguem os ideais camonianos. Diri para criticar a oposição ao Papa e às guerras que não seguem os ideais camonianos. Dirige-se depois aos ingleses, que deixam que os Muçulmanos tenham sob controlo a cidade de Jerusalém e preocupa-se apenas em criar a sua nova forma de religião (anglicanismo). Também os franceses, ao invés de combaterem os infiéis, aliaram-se aos turcos para combater outros cristãos. Nem os próprios italianos passam impunes, ao ser-lhes criticada a corrupção.

Para incitar à conquista de povos não-cristáos, visto esta causa não ser suficiente, Camões lembra as riquezas da Ásia Menor e África, incitando desta forma a expansão. Termina elogiando os portugueses, que se expandiram por todo o mundo tendo como fim primário a divulgação da fé. inserem nos meios reais de forma a conseguire proveito próprio. Não louvará também aqueles que se inserem nos meios reais de forma a conseguirem poder para explorar o povo. Termina invejando aqueles que em serviço do Rei foram reconhecidos, já que ele se sente cansado pela forma como é tratado pelos compatriotas. 8

Comportamento org.

0

ETAPA 1 Passo 1 – Comportamento Organizacional O Comportamento Organizacional foi criado com a intenção de aliar competências técnicas as

Read More

Sistemas operacionais

0

Exercício de Sistemas Operacionais 1- Um computador sem seu software nada mais é do que um pedaço inútil de metal.

Read More